LUTO - Morre George, o Solitário


Lonesome George (George, o Solitário, em tradução livre) tinha estimados cem anos - sua subespécie, a Chelonoidis nigra abingdoni, pode chegar a viver 200. Uma autópsia será realizada para determinar a causa da morte.

Sem ter tido crias e na falta de um outro indivíduo conhecido de sua subespécie, Lonesome George ficou conhecido como a criatura mais rara do mundo.

Ao longo de décadas, ambientalistas tentaram, sem sucesso, fazer com que a tartaruga de Galápagos se reproduzisse com fêmeas das ilhas.

Autoridades do Parque Nacional da Ilha Pinta disseram que Lonesome George foi encontrado morto em sua cerca por Fausto Llerena, o homem que cuidava dele havia 40 anos.

Símbolo de Galápagos

Lonesome George foi identificado na Ilha de Pinta pela primeira vez em 1972, por um cientista húngaro. Na época, acreditava-se que sua subespécie já havia sido extinta.

A tartaruga, então, tornou-se parte de um programa de procriação no Parque Nacional de Galápagos. Depois de 15 anos em que ele viveu ao lado de uma tartaruga fêmea vinda de um vulcão próximo, Lonesome George acasalou, mas os ovos não eram férteis.

Ele também compartilhou seu espaço com tartarugas fêmeas da Ilha de Espanhola, mas, novamente, foi incapaz de procriar. Lonesome George se tornou um símbolo das Ilhas Galápagos, que atraem 180 mil visitantes por ano.

Extinção

Autoridades do parque de Galápagos afirmam que, com a morte de Lonesome George, a subespécie de tartarugas Pinta se torna extinta. O corpo da tartaruga provavelmente será embalsamado, para ser lembrado por gerações futuras.

As tartarugas eram abundantes nas Ilhas Galápagos até o final do século 19, quando começaram a ser caçadas por pescadores e marinheiros, atraídos pela carne do animal. Aí começou seu processo de extinção.

As diferenças na aparência das tartarugas das diferentes ilhas de Galápagos foram um dos elementos usados por Charles Darwin para formular sua Teoria da Evolução. Cerca de 20 mil tartarugas gigantes de outras subespécies ainda vivem nas ilhas.

Texto e imagens retirados de: 

Projeto Dznhando Ideias

Olá, pessoal!

Recebi um e-mail com um projeto muito legal, a dznhando ideias! Esse projeto tem o objetivo de disseminar e conscientizar o maior número de pessoas transmitindo uma mensagem desenvolvida a partir de uma ideia diferente e criativa.

Se gostarem do projeto e quiserem contribuir com a multiplicação da mensagem, fiquem a vontade para divulgar onde puderem!

Ah, ia me esquecendo! Eles me passaram alguns links ^^

Este é o site em que vocês podem conhcer um pouquinho mais sobre eles:


E esse é para baixar algumas das obras:

Capivara

Capivara
Nome Popular: Capivara Comum
Nome científico: Hydrochoerus hydrochaeris
Onde vive: Em alguns lugares das Américas do Sul e Central, próximas a rios, lagos, praias fluviais e regiões pantanosas
Tamanho: Mede até 1,30 m de comprimento e até 60 cm de altura
Peso: Pesa até 100 kg, embora a média seja 50 à 60 kg
Filhotes por gestação: A gestação varia de 120 a 140 dias, tendo de 2 a 6 crias por ninhada




Status Gerais
Pouco Preocupante
Protegido



















Seu nome vem do tupi “Kapi wara”, que significa comedor de capim. Este animal é o maior roedor herbívoro do mundo, comendo capim e ervas.

Desde o descobrimento do Brasil esses animais já eram domesticados pelos índios, já que estes tinham interesse em sua carne. Hoje há estudos para manter esse animal em cativeiro visando acabar com a caça predatória, mas não são feitos muitos esforços para isso.

Esse animal já foi muito caçado no passado para a comercialização de pele e óleo, que eram considerados como propriedades medicinais, entretanto, hoje não se encontram em risco. Atualmente ela continua a ser caçada em alguns lugares do Brasil e no norte da Argentina para abate, porém no Brasil isso tem de ser licenciado pelos órgãos de controle animal, já que é uma espécie protegida neste país.

Possui pés com quatro dedos nas patas dianteiras e três nas traseiras, sendo que entre os dedos há membranas, já que ela fica muito tempo na água, usando-a de defesa ou para se reproduzir, evitando assim os predadores. Ela pode ficar debaixo da água por até 5 minutos e embora não prefira, pode se alimentar em baixo dela também e para dormir ela fica subemersa e deixa apenas o nariz para fora, já que as narinas são próximas do topo da cabeça, bem como os olhos e orelhas. Vivendo em regiões pantanosas preferem ficar acordadas à noite, ou no final da tarde, seus principais predadores são onças, jacarés (mais para os filhotes) e piranhas.

Vivem em manadas que podem chegar até 30 indivíduos em liberdade e quando se locomovem em terra andam em fila por trilhas já conhecidas. Quando sentam tomam a postura de um cão, o que é relativamente incomum na natureza.

Seus dentes incisivos são muito grandes, medindo de largura cerca de 1 cm e, como em todo roedor, eles crescem sem parar, até chegarem 7 cm se não forem desgastados com mordidas em pedras ou troncos de árvores.

As crias nascem de olhos abertos, com pêlos e dentição formada. Têm um desenvolvimento rápido, querendo nadar na primeira semana de vida, o que os torna alvos fáceis para jacarés e piranhas, se os pais permitissem que fossem a águas mais profundas e se alguma cria se perde, pede socorro com gritos fortes e agudos, fáceis de serem escutados. Desmamam com cerca de três meses e pode se tornar independentes na manada ou para criar uma nova.

Apenas lembrando, para fazer uma criação de animais silvestres é necessário uma autorização concedida pelo IBAMA.
Foto(s) retirada(s) do(s) site(s):
_________________________________________________________________________________ Agradecemos Vítor Ximenes, do blog Nature & Culture por pedir essa postagem!

Iguana Marinha


Nome Popular: Iguana Marinha
Nome científico: Amblyrhynchus cristatus
Onde vive: Vivem em zonas rochosas em beira mar, no arquipélago das ilhas Galápagos
Tamanho: Até 1,40 m
Peso: Cerca de 4 kg
Filhotes por gestação: Entre 1 a 6 ovos que demoram até 4 meses para eclodir


Status Gerais
















Este animal é o único lagarto do mundo que tem hábitos marinhos[¹]. Ele é pecilotérmicos, (ectotérmicos), e sendo assim pode passar apenas um determinado tempo no mar gelado, depois tem que ficar exposta ao sol para poder se reaquecer. Quando está fria, ela não consegue se mexer muito bem e por isso fica vulnerável à ataques de seus predadores e isso muda seu comportamento, ela fica muito mais agressiva e ataca à qualquer um que esteja em seu alcance. Quando muito, podem mergulhar numa profundidade com mais de 15 metros e prender a respiração por 30 minutos.

Ela é herbívora, se alimenta mordiscando algas marinhas incrustadas nas rochas expostas na maré baixa, ou mergulha até o leito da costa para encontrar alimentos mais ricos (segundo I Love Répteis). Apenas as maiores iguanas mergulham para comer, pois para elas a perca de calor não tão grande e podem submergir até 25 metros, onde há mais algas e menos concorrência. As menores (que são cerca de 95% do total) esperam a maré baixa. Ou seja, de acordo a perca de calor relativa ao tamanho é que definirá o modo de alimentação de cada individuo.

A água onde mergulham é extremamente fria por causa das correntes marítimas, apesar de estar próximo à linha do equador. No mar quando se alimentam também acabam ingerindo uma quantidade de sal em excesso, que seria tóxico se ela não o eliminasse através de uma glândula que existe no seu nariz por espirros.

O mês que se reproduzem é dependente da ilha em que se encontram, mas nesta época o macho fica com cores mais fortes afim de chamar a atenção das fêmeas. As fêmeas enterram seus ovos mais no interior da ilha, na areia ou em buracos vulcânicos e ficam vigiando durante alguns dias, mas depois os deixa. Os filhotes nascem, com características e movimentos que os assemelham aos adultos.

Uma das coisas que realmente se tornou uma ameaça para estes animais foi a introdução de novos predadores, como cães, gatos e ratos, (mesmo que geralmente fiquem onde humanos estejam), que comem os filhotes e os ovos. Isso acabou por fazer um declive na população, mas, apesar disso, segundo a IUCN, não se sabe se a tendência da população. E, vivendo nas ilhas de Galápagos, estão em território protegido, uma das

[¹] Existem quatro ordens entre os répteis, entre elas a ordem Crocodilia , que abrange os crocodilos, gaviais e jacarés com cerca de 23 espécies; a ordem Rhynchocephalia, com os tuataras, apenas 2 espécies; a ordem Squamata, que incluem lagartos (como o a Iguana Marinha) e serpentes, cerca de 7 600 espécies e a ordem Testudinata, com as tartaruagas, com cerca de 300 espécies.

Glossário Animal em Risco

Glossário Oficial do Blog Animal em Risco para palavras importantes no meio ambiente:






A
Alcatéia: grupo de lobos
Alfa: o líder máximo de um determinado grupo de animais (alcatéias, manadas, bandos, etc.)
Aquecimento Global: aumento da temperatura média no planeta, do qual o causador tem sido assunto de longos debates (o mesmo que Efeito Estufa).

B
Bando: um grupo de animais da mesma espécie que vivem juntos
Bioma: é um conjunto de ecossistemas terrestres.

C
Cadeia Alimentar: seqüência hierárquica que se alimentam uns dos outros.
Campo (pradaria): é uma planície vasta e aberta, com  vegetação rasteira.
Camuflagem: conjunto de métodos e técnicas que permite que determinado animal fique escondido no meio do ambiente em que vive.
Carnívoro: que ou quem come carne.
Cativeiro: ambiente feito pelo homem para imitar a natureza, para manter os animais fora de seu habitat natural, sendo que, pode haver vários motivos para isso.
Cingulata: ordem de mamíferos desprovidos de dentes.
Coação: influência que os organismos exercem sobre os outros.
CO2: gás que é produzido quando queimam materiais que tenham carbono, como combustíveis fósseis, como carvão, petróleo, etc. É um dos grandes potenciadores do Efeito Estufa.
Correntes térmicas: a quantidade de calor que passa num material num determinado tempo.

D
Distribuição Geográfica: áreas habitadas pelos animais no globo terrestre, diferentemente de habitat.

E
Ecossistema: unidade natural que incluem a fauna, flora, meio ambiente, organismos microscópicos, etc. compartilhando o mesmo território.
Efeito Estufa: aumento da temperatura média no planeta, do qual o causador tem sido assunto de longos debates (o mesmo que Aquecimento Global).
Emboscada: é quando os animais esperam escondidos e encurralam suas presas.
Endêmico: que vive em uma só região.
Endotérmicos: animal com capacidade de autorregular a sua temperatura.
Estado de Conservação: variações da quantidade de indivíduos de determinada espécie.
Estepe: é um ecossistema extenso e plano, com uma vegetação herbácea e arbórea.
Extinção: quando todos os indivíduos de uma espécie morrem, geralmente ocorre por ações do homem.

F
Fauna: termo usado para indicar a vida animal.
Flora: termo usado para indicar plantas.

G
Gelos Oceânicos: icebergs
Gestação: período em que embrião se desenvolve no útero materno até o momento de nascer.

H
Herbívoro: que ou quem que come principalmente capim e plantas, não sendo necessariamente vegetariano.
Habitat: bioma em que vive determinado ser.

I
Icebergs: grande bloco de gelo de origem continental que flutua no mar.
Igarapé: canal de água estreito, geralmente entre uma ilha e terra firme, ou entre duas ilhas,
Incubação: o período de formação de um embrião no ovo desde a postura até a eclosão

J

K

L
Lago: acumulação permanente de água em determinada depressão natural cercada por terra.
Lagoa: o mesmo que lago, mas em proporção menor.
Líquens: um tipo de associação de algas e fungos, da qual impossibilita que se separem qualquer um dos seres que formam a associação.
Longevidade: anos, em média, que vive determinado animal.

M
Monógamo: uma vez que formam um casal, ficam juntos até a morte.

N
Noturno: animais que dormem de dia e despertam à noite.

O
Onívoro: que ou quem que come de tudo, tanto carne como plantas.
Oxigênio: ar, necessário para a vida no planeta (O2)

P
Pampa: nome dado às planícies, ou pradarias, do Rio Grande do Sul e dos países do Prata
Planície: grande extensão de terras planas.
Presa1: é a caça, a refeição, do animal carnívoro.
Presa2: dente canino, fundamental para a sobrevivência dos carnívoros.
Poiquilotermia: são animais de sangue frio, que precisam ficar expostos ao sol (ou outra coisa que produza calor) para poder regular a temperatura


Q
Queratina: material que compõe as unhas, garras, pêlos e, como no caso do rinoceronte, chifres.

R
Riacho: rio pequeno.
Ribeiro: o mesmo que riacho.

S
Sustentabilidade: crescer, ou desenvolver, de forma que não prejudique a natureza.

T
Toneladas: é uma unidade de medida de massa, cada tonelada vale1000kg
Tundra: bioma bem desenvolvido no Hemisfério Norte e muito freqüente no Círculo Polar Ártico, caracterizado pela falta de árvores e por ser coberto de musgos e líquenes (espécie de musgo).

U

V
Vegetação arbórea: plantas que produzem madeira (lenhosa) e são de grande porte, vegetação constituída por árvores.
Vegetação herbácea: plantas de caule mole, que não produzem madeira.
Vibrissa: são prolongações de pêlos queratinosos, que passam informações ao cérebro sobre as vibrações ao redor, geralmente são encontrada em mamíferos, mas também podem ser encontradas em certas aves e mamíferos marinhos. Ex: gatos, diabo da tasmânia, leões marinhos, etc.

X

W

Y

Z

Tatu Bola


Nome Popular: Tatu Bola
Nome científico: Tolypeutes tricinctus
Onde vive: Existem apenas na caatinga da região Nordeste do Brasil, preferindo lugares com solo de areia e arbustos
Tamanho: Cerca de 50 cm
Peso: O adulto pesa cerca de 1,5 a 2 kg
Filhotes por gestação: Geralmente um, embora às vezes possam ter dois


Status Gerais
Protegido















Esses animais fuçam o solo perto de árvores procurando, dentre outros itens, formigas, cupins, larvas de insetos, aranhas, escorpiões, frutos e ovos de lagartos. Dentre os tatus mamíferos, esta é a menor espécie que vive no Brasil e é endêmica, ou seja, vive apenas numa região: no ecossistema da caatinga do nordeste brasileiro, segundo o Relatório Final de Diagnóstico de Áreas de Alto Valor para Conservação (HCVA) do Programa de Manejo Ambiental - Projeto Puma[¹].

Esta é a espécie mais ameaçada por não conseguir cavar tão bem como os outros tatus e, por este motivo, sua defesa natural é fugir, embora possam ser facilmente alcançados por humanos, ou se enrolar como uma bola. Quando se enrolam, sua cabeça e sua cauda se encaixam perfeitamente, fazendo uma espécie de uma couraça com a carapaça articulada que têm nas costas. No entanto, podem ser facilmente capturados pelo homem quando nesta situação. Outra ameaça à esta espécie é a redução e a modificação do habitat, já que é um dos animais que mais sensíveis em relação à mudanças no meio em que vivem. Apesar de ser protegido em algumas áreas, as principais populações não costumam ficar nestes lugares e, por isso, podem ser caçadas com facilidade. Seu principal predador é a Onça.

Com hábitos predominantemente vespertinos/noturnos, durante o dia utilizam buracos feitos por outros animais e, dependo da temperatura, podem se cobrir com folhas em depressões do terreno. São cingulatas, isto é, pertencem à ordem de mamíferos desprovidos de dentes.

Atualmente os cientistas estudam a possibilidade de criar esta espécie em cativeiro para tentar salvá-la. Programas de educação ambiental também são desenvolvidos nos lugares onde este tatu pode ser encontrado.

[¹] Disponível em: http://www.hcvnetwork.org/resources/assessments/Relatorio%20HCVA_Fazenda%20Mundo%20Novo_Brasil.pdf

Foto(s) retirada(s) do(s) site(s):

Monstro de Gila


Nome Popular: Monstro de Gila
Nome científico: Heloderma suspectum
Onde vive: Vive nas regiões desérticas, áridas e mais quentes do sudoeste norte-americano e noroeste do México
Tamanho: Até 60 cm
Peso: Carca de 1,5 kg
Filhotes por gestação: De 3 semanas a 2 meses para botar de 12 a 15 ovos, que eclodem em um mês





Status Gerais
Quase Ameaçado
Segundo a IUCN

Protegido
















É uma espécie de lagarto venenoso, e, ao contrário das cobras, injeta as toxinas com sulcos que há nos dentes de trás, e sempre que mordem injetam este veneno e impregnem vagarosamente na ferida, por isso quando mordem ficam um bom tempo com a mandíbula fechada (que por sinal é muito forte) para conseguir inocular uma dose maior. Assim que mordem, as vítimas já sentem uma dor intensa. Só mordem seres naiores quando estão feridos e para se defenderem.
Vivem em bandos com um macho dominante e já que não são muito caçadores, são raras as brigas por território. Geralmente para capturar uma presa primeiro sentem seu cheiro com seu olfato muito apurado e ficam imóveis esperando que a presa se aproxime para, enfim, mordê-la e envenená-la. Assim como as cobras, sentem o cheiro com a língua, deixando que pequenas partículas que estão no ar fiquem na língua e depois as leva até um órgão olfativo que fica no céu da boca. Podem comer pequenos roedores, como ratos e coelhos, outros lagartos, ovos que encontrarem, e, quando possível, até aves. Embora sejam lentos, são ótimos escaladores e sempre sobem nas árvores para roubar ovos dos ninhos das aves.
As tarântulas, que são aranhas venenosas que habitam a mesma região que eles quase nunca os enfrenta, sempre fogem, evitando serem devoradas.

Não há dimorfismo sexual na espécie, o único modo de se saber o sexo é os observar na época de acasalamento que ocorre no verão, quando a temperatura é mais alta e, já que precisam do calor para regular a temperatura interna, ficam mais ativos. Quando o acasalamento acaba o macho precisa ir embora antes que a fêmea bote os ovos para evitar de receber ataques. Após duas ou três semanas depois do acasalamento a fêmea bota os ovos e os esconde na areia, da onde nascerão os filhotes daí um mês. Vivem cerca de 20 anos.

Sendo sua cor principal o preto, eles evitam ficar no sol durante muito tempo no verão para não se sobreaquecer, durante esta época do ano geralmente ficam mais ativos durante a noite, já no inverno, quando na natureza, costumam hibernar e gastam das calorias que acumulam na cauda que é um terço do tamanho total.

Foto(s) retirada(s) do(s) site(s):

Avestruz

Nome Popular: Avestruz
Nome científico: Struthio camelus
Onde vive: Savanas e no Sahel* da África
*Área semi árida na região central da África a sul do deserto do Sahara
Tamanho: Em média 2 m
Peso:Cerca de 90 a 130 kg
Filhotes por gestação: De 15 a 60 ovos, a gestação é de 35 a 45 dias e a incubação é de 40 a 42 dias.



Status Gerais
Pouco Preocupante
















Essa ave é a maior do mundo, tem asas atrofiadas, penas que servem como um isolante térmico. É a única que tem apenas dois dedos em cada pé, e suas pernas fortes e sem penas são muito úteis quando está em fuga, o que compensa não poder voar, chegam a uma velocidade de até 80 km/h, e dão passos de mais de 3,5 m. Essa ave faz parte da ordem dos Ratitas, assim como a ema, o emu, o casuar.

É uma ave de fácil adaptação, vivem desde as savanas até as áreas arenosas e montanhosas. Comem um pouco de tudo, grama, arbustos e pequenos vertebrados e invertebrados que possa caçar. Algumas pessoas dizem que o avestruz tem o costume de enfiar a cabeça na terra, mas não se pode comprovar isso, pois tal atitude nunca foi observada. Talvez tenha sido criado essa crença por observar à certa distância essa ave comer areia e pedras, que o fazem para ajudar a esmagar os alimentos no estômago, já que não têm dentes para mastigar sua refeição, e sendo sua cabeça de uma cor próxima à do chão em que habita criou-se esse mito.

Embora adorem banhos e os tomem constantemente, podem ficar muito tempo sem beber água sobrevivendo simplesmente com a umidade das plantas que ele comeu. Possuem uma visão aguçada e podem fugir com muita agilidade de predadores como leões, guepardos, leopardos, etc. com uma distância suficiente de garantir sua vida.

Esses animais podem ser criados com objetivo de abate, para venda de suas penas, "couro" e carne para consumo. São animais muito resistentes a doenças e se adaptam fácil ao ambiente, desde temperaturas geladas até as mais quentes. Segundo o IBAMA, espera-se que esses animais vivam de 50 a 70 anos, sendo que só dos 20 aos 30 se reproduzem.

Essas aves tem dimorfismo sexual, isto é, quando as fêmeas e os machos têm características físicas não sexuais que os tornam diferentes, neste caso podemos ver isso nos avestruzes a partir de 1 ano e meio, os machos ficam com as plumas negras e com as pontas das asas brancas, já a fêmea é cinza.

Quando está na época de reprodução e quando o clima fica extremamente seco, eles andam em grupos de até 50 indivíduos e podem viajar com zebras e antílopes. Embora sejam diurnos, podem andar em noites de luar, tendo mais atividade no começo o no fim do dia.


Hiena Malhada


Nome Popular: Hiena Malhada
Nome científico: Crocuta crocuta
Onde vive: Preferem as áreas menos densas, como as savanas do Centro Sul da África
Tamanho: Atingem até 1,5 m de comprimento e 80 cm de altura
Peso: Cerca de 70 kg
Filhotes por gestação: Geralmente dois, embora possam ter até quatro. A duração da gestação fica em torno de três meses


Status Gerais
Pouco Preocupante

















Apesar da fama de caniceira, ela é uma excelente caçadora. Embora não seja muito rápida, geralmente não atingindo mais de 60km/h, sua mandíbula e seus dentes são muito desenvolvidos, dando à ela uma mordida extremamente forte, com as quais, ao contrário dos outros felinos que dividem o território com ela, raramente a presa escapa. Sendo carnívora, seu cardápio varia bastante, preferem atacar os gnus, búfalos, zebras e até as girafas. Se tiverem chance comem os filhotes de seus concorrentes também, como os mabecos, guepardos, leopardos e de seus vizinhos com quem mantêm maior hostilidade, os leões. Ainda assim podem comer o resto que esses felinos deixam, e pela força da mandíbula podem devorar até os ossos das presas e este papel é muito importante para limpeza do terreno.

A aparência deste animal também não ajuda na sua reputação, seus pelos marrom dão-lhe um aspecto sujo e seu cheiro é desagradável pois ao contrário de outros animais não mantêm uma higiene nos seus pelos, fazendo com que o sangue das vitimas apodreçam nela. Fora isso já era mau visto pelas tribos indígenas da África, pois dentre os outros sons que faz, o seu som mais comum que parece com risadas, fizeram com que se acreditasse que a hiena era um animal que transportava maus espíritos.

As hienas vivem em uma sociedade em que as fêmeas dominam o grupo; chamamos isso de sociedade matriarcal, apesar de que na sociedade das hienas há ainda subdivisões familiares. Muitas vezes acontece do grupo chegar a ter cem animais, mas caçam de acordo com as subdivisões de cada família, e assim que acaba a caçada logo voltam para o grupo da matriarca.

As hienas dessa espécie tem um comportamento complexo, com um conjunto de posturas. Se se sentirem ameaçadas abaixam as orelhas e mostram os dentes como se estivessem a rosnar. Se forem atacadas e estiverem em fuga, correm com a traseira abaixada no seu típico andar mancante. Nos ataques as orelhas ficam a postos, a boca sempre fechada e os pelos eretos. Em outros momentos a cauda fica abaixada. A cauda ereta não quer dizer sempre um encontro hostil, já que se foi visto este comportamento em encontros amigáveis.

Fora a postura há vários tipos de sons, além das "risadas" que elas produzem em determinadas horas, que vão dos uivos que usam sem situações aparentes, uivos rápidos que precedem ataques, grunhidos que ameaçam algum impostor no grupo, as próprias risadas que fazem quando estão sendo perseguidas eu encontram leões, etc.

Muitos fazendeiros apresentam queixas sobre ataques de hienas aos seus gados, mas isso não pode ser provado, pois é difícil de se saber se a própria hiena matou o gado ou se só está comendo os restos da caçada que outro animal fez. De qualquer forma, isso faz com que matem muitas hienas brutalmente, e segundo o a IUCN, a espécie Crocuta crocuta está decrescendo.


Foto(s) retirada(s) do(s) site(s):

Estamos de volta!





Nada como começar o ano com mais uma postagem "da pesada" rsrs.
Mesmo que atrasados =( o Animal em Risco deseja que vocês tenham tido um ótimo natal e que vocês tenham um excelente 2012!

Hipopótamo


Nome Popular: Hipopótamo comum
Nome científico: Hippopotamus amphibius
Onde vive: São encontrados em rios e pântanos na Africa, especialmente nos lugares mais úmidos
Tamanho: Até 4 metros
Peso: 3500kg
Filhotes por gestação: Com uma gestação de 240 dias (8 meses), nasce apenas um filhote, raro os gêmeos


Status Gerais

















A palavra hipopótamo significa "cavalo do rio", porque os europeus que foram os primeiros que viram hipopótamos acharam que seria um bom nome por causa do seu tamanho.

Vivem em bando e, durante o dia ficam imersos na água para proteger sua grossa pele do sol forte. Esses animais saem a noite para se alimentar de plantas, geralmente da vegetação das margens do rio e, mesmo assim sempre ficam alertas; qualquer barulho fara com que o grupo volte imediatamente à segurança sub-aquática. Para se alimentar, arrancam a vegetação do chão e os lábios levam a grama até os molares onde são moídos. Os seus dentes caninos e incisivos não ajudam em nada na alimentação. A quantidade de alimento que comem não é muito grande em relação ao corpo do animal, mas por não serem muito agitados e por dormirem o dia todo sua necessidade energética acaba reduzindo a quantidade de alimento que poderiam precisar. O seu estômago tem quatro câmaras, como os das vacas e outros ruminantes, embora essa animal não rumine.

Se for necessário sair durante o dia, o seu corpo menos as orelhas, lábios e a cauda que são as únicas partes que têm alguns pelos pequenos, secreta uma substância que protege o animal do sol, para que não se queime. Muitas são as características que tornam o hipopótamo um bom nadador, entre elas suas destacam-se de suas adaptações corporais o fato de conseguirem segurar a respiração por até cinco minutos, suas narinas serem fechadas quando mergulham e membranas entre seus quatro dedos dedos. Por de ter um número par de dedos ele é classificado como um ungulado. Seu corpo tem uma pele grossa, patas fortes e curtas como a cauda. Seu focinho é largo e arredondado. Seus caninos inferiores crescem por durante toda a vida, ficando até com mais de 25 cm.

A fecundação da fêmea ocorre dentro da água, ficam submersos, mas têm de emergir a cabeça para respirar. É uma das poucas espécies de mamíferos que a cria nasce dentro da água, como os peixes-boi. O filhote nasce com um peso de 20 a 45kg e tem que nadar até a superfície para poder respirar pela primeira vez.Quando se está muito fundo para a cria nadar, muitas vezes ela fica em cima das costas da mãe enquanto ela nada. Eles também mamam embaixo da água na maioria das vezes, mas o fazem também quando a mãe está na terra. Começam a desmamar cerca de oito meses depois e quando completam um ano já comem somente a grama.

Esses animais são naturalmente agressivos, ainda mais quando os recém nascidos estão por lá. Eles defendem as crias de Crocodilos do Nilo, Leões e hienas que se arriscam a fazer ataques. São agressivos com humanos também, atacam pessoas e barcos sem nenhum tipo de provocação que se possa notar e por isso são considerados um dos animais mais perigosos e temidos da África. Costumam demarcar seu território espalhando suas fezes com a cauda e isso também aduba a terra.

Muitas vezes eles brigam por território, mas não é comum que um deles mate o oponente. Se o espaço que esses animais não for o suficiente, seja por superpopulamento, seja por devastação da área, eles tentam manter um número de crias menor, matando a maior parte das que nascem, mas isso não ocorre normalmente.

Vivem em grupos de até cerca de vinte animais, vivem as fêmeas e crias com a liderança de um macho. É interessante saber que esses animais eram sagrados para os antigos egípcios. A deusa da fertilidade, Tuéris, foi representada como um hipopótamo bípede.

O tempo médio de vida esperado para esse animal é de 40 anos, mas por invadir plantações, o comércio de suas presas e a falta de incentivo à preservação do habitat a população está em declínio (segundo a IUCN). Foi classificado como vulnerável em 2008.

Foto(s) retirada(s) do(s) site(s):